FUNCAP NA BERLINDA

Saiu na última sexta-feira o resultado da análise dos projetos inscritos na LEI PAULO GUSTAVO e desde ontem que tem sido extremamente negativa a repercussão no seio da classe artística. Como o governador Fábio Mitidieri não costuma ratificar erros, é bem provável que cobre explicação sobre os fatos que serão denunciados, e solicite a revisão do resultado oficial, para evitar questionamentos no âmbito do judiciário.

Parcela significativa do mundo cultural, está ansiosa para descobrir que critérios foram adotados, para a classificação apresentada. E porque alguns produtores foram excessivamente contemplados.

Há algumas situações absurdas e outras inexplicáveis, há participantes dispostos a utilizar todos os meios possíveis para entender o que ocorreu na FUNCAP, na condução da Lei Paulo Gustavo.

Julgam que 60 milhões, que veio como programa emergencial para atender o mundo cultural, objetivando combater os nefastos efeitos da pandemia. Seriam suficientes para movimentar o mundo cultural com reflexos positivos para o turismo.

Mesmo sabendo que o objetivo principal da LPG, seria contemplar atores e atrizes, os pareceristas contratados pela FUNCAP, optaram por desprezar projetos que previam a mobilização acentuada de músicos, atores, atrizes, agentes e produtores culturais, e aprovaram um número enorme de documentários, que mobiliza muito menos o mundo artístico.

Em outros programas, já houve quem colocasse a mão na verba pública, apresentando documentário produzido com apenas um entrevistado. Ou seja, envolvendo apenas 1 sala, uma câmera e 2 pessoas.

Enquanto isso, projetos que mobilizariam atores cantores, bandas e coadjuvantes todos sergipanos, cuja divulgação midiática proposta, alavancaria o turismo sergipano, ficaram na condição de excedente.

Situações que mais despertaram atenção:

  1. O adiamento do resultado feito oficialmente pela FUNCAP no dia 00/00/23. Sob a justificativa de que o adiamento atendeu a um pedido dos artistas.

OBS:

Com os artistas sergipanos em pé de guerra por uma oportunidade de trabalho. Que artistas pediriam o adiamento do resultado?

  1. Apenas uma empresa foi contemplada com a aprovação de 00 projetos. Quando o item 000 do Edital, estipulava limitação.

  1. Há entre os projetos aprovados, projetos inscritos por servidor da FUNCAP.

  1. Há entre os projetos aprovados, projetos inscritos por quem preparou o Edital. Situação imoral além de ilegal.

  1. Há entre os projetos aprovados, projeto de autoria do Instituto Banese para reforma de cinema.

  1. Há discrepância absurda na nota dos pareceristas. Enquanto alguns pareceristas deram nota 10 (dez) para um projeto que atendeu tudo que foi recomendado pelo edital, houve nota 0 (zero), para análise do mesmo conteúdo.

Por fim, o resultado desperta dúvida sobre o formato empregado para análise, já que a quantidade de projetos inscritos (2.900), remeteria cerca de quase 600 projetos, para serem analisados num prazo de 25 dias por cada parecerista. Algo desarrazoado.

Cabe ressaltar que Sergipe talvez seja o único estado, que apresentou o resultado sem apresentar o cronograma.

Há comentários dando conta que Antônia Amorosa, excelente cantora sergipana, está perdida enquanto gestora, e que setores do mundo artístico levaram ao conhecimento do governo, que a Lei Paulo Gustavo estava sendo mal-conduzida.

Com a palavra o governador Fábio Mitidieri.

Redação EmSergipe

Redação EmSergipe

Deixe uma resposta