JUSTIÇA DECRETA PRISÃO PREVENTIVA DE TORCEDOR DO FLAMENGO ACUSADO DE MATAR PALMEIRENSE

Defesa de Jonathan Messias Santos da Silva diz que vai recorrer; em decisão, juíza afirma que torcedor do Flamengo “apostou na impunidade”

A Justiça de São Paulo tornou réu e decretou a prisão preventiva de Jonathan Messias Santos da Silva, o torcedor do Flamengo suspeito de ter provocado a morte da torcedora do Palmeiras Gabriela Anelli, de 23 anos. Ela morreu no dia 10 de julho após ser atingida por estilhaços de garrafa de vidro arremessada por Jonathan antes do jogo entre Palmeiras e Flamengo dois dias antes.

O torcedor do Flamengo estava preso temporariamente desde o dia 25 de julho. A 5ª Vara do Júri da capital recebeu a denúncia do Ministério Público nesta segunda-feira, 14/8, e tornou a prisão preventiva.

Na decisão, publicada pelo portal g1, a juíza Marcela Sant’Anna afirmou que a “prisão do acusado é imprescindível para a garantia da ordem pública e para a futura aplicação da lei penal. Isso porque se trata de crime grave, hediondo, praticado antes de uma partida de futebol e motivado por ódio à torcida adversária, o que evidencia o concreto potencial ofensivo do acusado”.

Segundo ela, “a conduta do réu, de atirar deliberadamente uma garrafa de vidro na direção de outras pessoas apenas porque torcem para outro time que não o seu, demonstra que possui personalidade violenta e deturpada, voltada à prática de crimes, merecendo ser segregado do meio social. O modus operandi adotado pelo réu revela sua agressividade latente e indica que, em liberdade, representa risco real à ordem pública, já abalada pelo grave crime que cometeu”.

A magistrada escreveu ainda que Jonathan “apostou na impunidade e continuou a exercer suas atividades rotineiras, deixando de se apresentar às autoridades, preferindo acreditar que jamais seria identificado”.

Em nota, José Victor Moraes Barros, advogado de Messias Santos da Silva, afirmou que, no prazo legal, vai recorrer da decisão. “Vamos apresentar a defesa e o pedido de revogação. Já apresentamos na semana passada um habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo”, disse.

Reconhecimento facial ajudou na identificação

De acordo com a delegada Ivalda Aleixo, Jonathan Messias dos Santos foi identificado a partir do cruzamento entre vídeos feitos por outros torcedores e o sistema de reconhecimento facial do Allianz Parque.

“Ele é a única pessoa que joga garrafa naquele momento. Ele está muito bem identificado”, disse a delegada em entrevista coletiva realizada no dia 25/7.

Corte na jugular

Gabriela Anelli Marchiano, de 23 anos, morreu na manhã do dia 10 de julho em decorrência de um ferimento na jugular. O laudo da perícia indica que ela foi atingida por um estilhaço de uma garrafa de vidro que se chocou contra o tapume que separava torcedores de Flamengo e Palmeiras.

A investigação da Polícia Civil aponta que ela estava envolvida na briga de torcida. A jovem, integrante da Mancha Verde, e um grupo de torcedores do Palmeiras teriam entrado no espaço designado à torcida do Flamengo momentos antes de as garrafas serem arremessadas, dos dois lados.

O corpo de Gabriela foi enterrado no Memorial Parque Paulista, em Embu das Artes, Grande São Paulo. O velório contou com a participação de torcidas organizadas do Palmeiras, que cantaram hinos e prestaram homenagens à torcedora.

Fonte: Metrópoles

admin

admin

Deixe uma resposta