NÚMEROS DO IBGE E MINISTÉRIO DO TRABALHO COMPROVAM QUE O SETOR DE EVENTOS É O PRINCIPAL GERADOR DE EMPREGOS NO PAÍS

Essencial para a economia, segmento foi incluído na lista de atividades que receberam tratamento diferenciado, na proposta de Reforma Tributária do senador aprovada pelo Senado Federal nesta quarta(8)

O setor de eventos de cultura e entretenimento continua sendo o principal  gerador  de empregos no país, apontam os dados do Radar Econômico, estudo realizado pela Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (ABRAPE) com base em dados do IBGE e do Ministério do Trabalho e Previdência. No saldo acumulado entre janeiro e setembro de 2023, o segmento teve um crescimento de 34,8%, enquanto outras áreas como agropecuária (- 9%), construção civil (-14,6%) e serviços (26,5%) registraram um decréscimo, comparado ao mesmo período do ano passado. A média nacional, envolvendo todas as atividades econômicas, foi de queda: – 26,6%.

O índice foi impulsionado pelo desempenho do core business do setor, que abrange atividades como organização de eventos; atividades artísticas, criativas e de espetáculos; atividades ligadas ao patrimônio cultural e ambiental; atividades de recreação e lazer; e produção e promoção de eventos esportivos. Foram geradas 19.422 vagas de empregos, com crescimento de 35% sobre mesmo período de 2022 (14.389). Só no mês de setembro foram mil vagas.Destaque para o segmento de organização de eventos (exceto culturais e esportivos): a atividade teve um incremento de 90% no número de vagas geradas no período (14.548 em 2023 e 7.643 em 2022).

Merece destaque, ainda, o fato de que o hub do setor de eventos de cultura e entretenimento no país fechou o primeiro semestre do ano com uma taxa de 6,2% de crescimento do PIB, enquanto a média global foi de 3,2%, de acordo com os números do IBGE. Com isso, 52 atividades econômicas impactadas pelo segmento, tais como operadores turísticos, bares e restaurantes, serviços gerais, segurança privada, hospedagem etc, registram um crescimento de aproximadamente duas vezes acima da média.

O hub concentra, em todo o país, 577. 911 de empresas, sendo 2.406.939 de Microempreendedores Individuais (MEIs), e gera 3.112.922 de empregos. Além disso, movimenta R$ 69,3 Bilhões em massa salarial e R$ 38,6 bilhões em impostos federais. O Radar Econômico utiliza como referência para estes dados os levantamentos do Ministério do Trabalho e Emprego, Receita Federal e Portal do Empreendedor.

REFORMA TRIBUTÁRIA  O setor de eventos de cultura e entretenimento foi incluído na lista de atividades que receberam tratamento diferenciado, na proposta de Reforma Tributária aprovada pelo Senado Federal nesta quarta(8), em dois turnos. A conquista, inserida no relatório do senador Eduardo Braga (MDB-AM),  foi um pedido da senadora Daniella Ribeiro (PSD-PB), por meio de emenda. O texto agora volta para apreciação da Câmara dos Deputados.

“O empenho da senadora foi essencial para que o principal gerador de empregos no país, o setor de eventos, deixasse de receber  o tratamento que merece. Daniella Ribeiro é uma grande parceira do nosso segmento e foi relatora do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (PERSE)”,  salienta o empresário Doreni Caramori Júnior.

Sobre a ABRAPE

Criada em 1992 com o propósito de promover o desenvolvimento e a valorização das empresas produtoras e promotoras de eventos culturais e de entretenimento no Brasil, a Associação Brasileira dos Promotores de Eventos – ABRAPE tem, atualmente, mais de 750 associados, sediados em todos os Estados da Federação, que são verdadeiros expoentes nacionais na oferta de empregos diretos e indiretos e na geração de renda, movimentando bilhões de reais anualmente. A entidade congrega as principais lideranças regionais e nacionais do segmento, tem no portfólio de associados empresas como a Live Nation, Opus Entretenimento, T4F e mega eventos, como o Festival de Verão de Salvador e a Festa do Peão de Boiadeiros de Barretos.

Assessoria de Imprensa – ABRAPE 

Redação EmSergipe

Redação EmSergipe

Deixe uma resposta